Minha trepada com ela

        Que tal contar para vocês sobre quando trabalhei em uma boutique no shopping e tive talvez um dos melhores sexos da minha vida: dei aquela trepada com ela, algo que eu jamais conseguiria esquecer.

        Até então sempre comprava naquela lojinha super cool que tinha as mais lindas croppeds – camisetinhas que super ressaltavam meu piercing no umbigo e meu corpinho angelical. Num certo dia, ao passar pela vitrine que tanto conhecia, me deparei com um pequeno anúncio no cantinho que oferecia uma vaga.

        A grana era curta e a possibilidade de descontos nas roupas que eu amava comprar logo me fez crescer os olhos. Pouco tempo depois eu estava lá dentro.

       Laila era minha gerente. Uma loira alta e mandona, uma mulher madura com corpo escultural daqueles capaz de deixar qualquer cara (e eu, confesso) loucos de tesão.

        Nunca tive uma experiência com outra mulher; sempre me considerei hétero, gosto mesmo é de pica (até demais), mas escutava quase diariamente I Kissed a Girl da Katy Perry e desde então a ideia de ficar com minha gerente não fugia da minha cabeça.

Porém, eu não queria apenas beijar. Queria saber como era sentir a textura de outros seios, o sabor de um mamilo, como é lamber um abdome feminino, como é apalpar uma bela bunda.

        E tenho que admitir que apesar da minha chefe pegar incessantemente no meu pé, não conseguia deixar de ter uma enorme vontade de dar uma trepada com ela.

Ela vestia quase sempre camisas sociais, com um decote voluptuoso que carregava minha imaginação de pensamentos impuros que poderiam muito bem ser resolvidos ali no banheiro feminino do shopping mesmo, bastava um pouquinho de vontade e discrição.

        Um belo dia, após semanas de muitas broncas e muito tesão enrustido, ela me chamou para conversar. Disse que tinha uma proposta e que precisava discutir comigo em um ambiente mais privado. Marcou em seu apartamento naquela mesma noite de sexta.

        Eu não conseguia parar de fantasiar em dar uma bela trepada com ela, mas tinha certeza que era coisa da minha cabeça. Ela devia apenas… Não tinha ideia do que ela queria, mas estava ansiosa e minha boceta piscava mais do que meus olhos.

        Naquela mesma noite fui até sua casa, caprichei no look, queria impressionar, queria até mesmo seduzir e confesso que estava arrasando e prontinha para isso.

        Mal entrei em seu luxuoso apartamento e antes mesmo que eu pudesse pensar em como agir ou o que fazer, ela me tascou um amasso digno de fim de balada, cheio de tesão e más intenções que no fim eram boas, afinal, tesão nunca pode ser mal.

        – Se quiser fugir, fuja menina! Mas há tempos queria fazer isso contigo e nada poderia me parar.

        Enquanto sentia sua língua se mexer loucamente em minha boca, minha mão direita automaticamente foi para o seu seio esquerdo. Sentia o sutiã de renda por baixo daquela camisa decotada que tanto me fazia fantasiar e finalmente tinha chego a hora: eu ia dar uma trepada com ela!

        – Rapidinha você! – Disse ela – Assim que eu gosto…

        Ela saiu da minha boca e começou a beijar meu pescoço, me levando para o confortável sofá da sala. Mal me deitou naquele aconchego e começou a me dar um chupão no pescoço e descer por meu decote, o que me deixou louca.

        Nada além de excitação passava pela minha cabeça e eu me contorcia de prazer e vontade de tê-la mais e mais. Eu queria desabotoar aquela roupa e ver o que havia por baixo, tocar sua pele e beijar suas curvas, mas ainda não conseguia.

        Laila foi mais rápida e desceu para levantar minha sainha, ao que, para surpresa dela encontrou minha xoxota molhadinha, sem calcinha, prontinha para o abate.

        Nada como uma mulher para saber o que é bom na hora de chupar uma buceta e ela fazia isso com maestria. Aquela língua chegou a lugares que nenhum carinha tinha conseguido antes, eu gritava irracionalmente. Gemia até minha garganta doer, sem medo de fazer um escândalo para aquela MILF que me chupava.

        Estava prestes a gozar gostoso até que ela parou repentinamente, como se sentisse que eu estava perto de chegar lá. Laila me tinha na palma de sua mão e sabia disso.

        – Você achou que ia ser tão fácil assim? Eu quero bem mais do que isso.

        Ela pegou minhas mãos e me fez tirar suas roupas. Finalmente consegui conhecer aquele corpo por inteiro, aquele que há tanto pairava em minha mente. Pegou minha mão e passou por sua bela vagina, recém-depilada e mega molhadinha, não era só eu que estava me divertindo ali.

        – Quero ver seu corpinho de ninfetinha também – disse, enquanto arrancava o pouco que eu tinha de peças de roupas com os dentes, apesar de tudo, Laila fez questão que eu continuasse com aquela sainha prensada e o saltão.

        Ao tirar minha roupa, me pegou de jeito e disse: “vem comigo, vou te mostrar uma coisinha”. Fomos até seu quarto e vi um baita dildo com duas cabeças. O meu era tão simplesinho perto do dela que confesso ter ficado um pouco surpresa.

        Não foi com cuidado que ela colocou aquilo em mim, foi com menos ainda que ela o enfiou. Estávamos cada uma apoiada de pernas abertas e mãos para trás, fazendo um tipo de ponte do yoga, mas de um jeito muito mais gostoso.

Eu louca para sentir aquela loira monumental colada no meu corpinho, mais louca ainda para gozar junto dela. Ela parecia saber muito bem o que estava fazendo e me levava à loucura.

        Nossos movimentos estavam sincronizados enquanto o consolo era tudo que nos conectava. E ele atritava forte em nossas xaninhas. Ela arfava, eu gemia. Ela suspirava, eu gritava. Cada vez ia mais agressivo aquele movimento, sentia Laila dentro de mim e cada vez eu ficava mais louca.

        Até que eu não aguentei mais, ia ter o melhor orgasmo da minha vida, sentia ela subindo da ponta de meus pés ao último fio de meu cabelo. Enquanto eu revirava os olhos e tinha a melhor sensação da minha vida, senti que ela perdia a força das pernas e se contorcia.

        Gozamos juntas!

        Pena que foi a única trepada com ela que eu pude dar. No início da semana seguinte, surgiu o aviso que a Laila havia recebido uma proposta para outra loja da franquia e estava de saída.

        Ela foi e eu fiquei. Mas confesso que até hoje toco uma sozinha lembrando do melhor orgasmo que tive na vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *