liberdade-sexual-azul-é-a-cor-mais-quente

Cinema homo – A Liberdade sexual

A liberdade sexual vem ajudando a quebrar estereótipos e preconceitos em relação a produções homossexuais

 Já tratamos algumas vezes sobre o quanto a liberdade sexual vem abrindo portas para novas experimentações, quebrando alguns paradigmas, e investindo, tão somente, na busca do prazer e sua felicidade acometida.

A internet, é claro, é uma das grandes responsáveis por toda essa transformação, seja através da tamanha facilidade das redes sociais, disponibilizadas, de uma forma ou de outra, para facilitar o processo de conhecer uma pessoa, ou da grande variedade de artifícios que possibilitam uma troca de experiências, entre seus usuários, como um chat com webcam, por exemplo.

Todos esses subterfúgios auxiliam fornecendo uma base de conhecimento mais sólida da que tínhamos há décadas atrás, quebrando milhares de preconceitos e abrindo nossas mentes para o novo, tal como nunca foi feito. A aceitação, gradual, mas não impossível, de homossexuais e travestis vem ganhando seu espaço, por exemplo, seja na televisão, como o tão amado personagem Félix, da novela da Globo, ou então nos filmes, sejam eróticos ou não.

E nesta sexta-feira (11), é isso que o TeVejo pretende mostrar. Para o evento “Azul é a cor mais quente”, as mulheres do chat foram convidadas a participarem vestindo azul, isso tudo como uma forma de preliminar para o show Bi, que acontece no mesmo dia. O evento agendado foi nomeado em referência, é claro, ao filme francês que está tão em alta, no qual duas meninas protagonizam cenas de amor e sexo, sem medo de ser feliz.

liberdade-sexual-no-cinema-emma-e-adele
Azul é a Cor Mais Quente, 2013

Agora, é perceptível quanto o cinema mudou ao longo dos anos, assim como a geração de conteúdos que ele proporciona. A temática homossexual passou a ter força em grandes obras cinematográficas, seja ela hollywoodiana ou não, a cargo de O segredo de Brokeback Montain, lançado em 2005, no qual é abordado todo o drama da paixão entre dois rapazes do Oeste dos Estados Unidos.

Grande premiado, vencendo o Leão de Ouro no Festival de Veneza, assim como o BAFTA, Globo de Ouro e Independent Spirit Awards, o filme que tem direção de Ang Lee, também recebeu o maior número de indicações no 78° Oscar, ganhando três dos oito prêmios. Além disso, Brokeback Mountain conquistou o oitavo lugar na lista dos filmes românticos de drama de maior bilheteria de todos os tempos.

Vemos aí a grande mudança, não? Um cinema independente, que trata da homossexualidade, grande tabu para alguns até hoje, foi o grande homenageado naquele ano. Mas esse filme não é o único.

São diversas produções que visam abordar da melhor forma possível a temática, livrando preconceitos e dando espaço para essa que, pode-se chamar, minoria. Porém, não precisa ser internacional para fazer sucesso.

Flores raras e Tatuagem, por exemplo, são dois filmes brasileiros que abordam os pormenores das relações homossexuais.

 

liberdade-sexual-no-cinema-homo
Flores Raras 2013, O Segredo de Brokeback Mountain 2005 e Tatuagem 2013.

No primeiro, lançado em 2013, é abordada a história verídica de amor entre a poetisa americana Elizabeth Bishop e a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares. Já o segundo, também de 2013, ambienta o Brasil da década de 78, mostrando o amor de Clécio e o soldado Arlindo Araújo, e travando uma batalha contra a moral e os bons costumes pregado pela ditadura militar.

Outro filme que está muito bem cotado e já apresenta ótimas críticas em relação é Hoje eu quero voltar sozinho. Também nacional, o longa-metragem foi baseado no curta Eu não quero voltar sozinho, tratando sobre a descoberta de sentimentos de Leonardo, adolescente cego, por Gabriel.

A exemplo desses e, é claro, faltando outros milhares de filmes que também abordam o tema, o cinema homossexual hoje está entrando em pauta e, mais que isso, fazendo sucesso, conquistando seu espaço nas mídias e sendo melhor aceito por todos. Para que o cenário continue crescendo, é necessário que todos os preconceitos sejam quebrados, que as mentes estejam mais livres e o sexo seja interpretado por cada um como forma de amor, independente de quem se trata.

liberdade-sexual-azul-é-a-cor-mais-quente
E pra quem curte, um esquenta para o show de sexta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *